segunda-feira, 2 de maio de 2016

Futebolismos II


Da Cova da Piedade vamos para Navarra, no país vizinho, onde encontramos entre "nuestros hermanos" o  Clube Deportivo Tudelano, que como o nome indica, procede da cidade de Tudela, arredores de Pamplona. O Tudelano disputa o Grupo 1 da II Divisão B espanhola, e é (ou deve ser) estatisticamente a equipa europeia com o maior recorde de invencibilidade: não perde qualquer encontro oficial desde 29 de Novembro de 2015, e o seu guardião Mikel Pagola não sofre qualquer golo desde 7 de Fevereiro, tendo já batido o respectivo recorde naquele escalão. Apesar de 21 jogos sem conhecer o amargo sabor da derrota, com 13 vitórias e 8 empates...


...o Tudelano não está a liderar a série, encontrando-se em segundo lugar em igualdade pontual com o Racing Santander, e a dois pontos do líder, o Racing Ferrol, quando faltam disputar mais duas jornadas. A II "B" espanhola está dividida em quatro grupos de 20 equipas cada, e ninguém sobe automaticamente; os vencedores dos grupos jogam entre eles a duas mãos, e os vencedores desses confrontos sobem à Liga Adelante, o segundo escalão, enquanto os vencidos juntam-se aos seis vencedores do "play-off" entre os segundos, terceiros e quartos classificados de cada grupo, subindo as duas equipas que conseguem ultrapassar os dois adversários que tiverem pela frente. Mas com ou sem vitória no grupo...


...o Tudelano acredita, e continuando nesta forma, têm boas razões para isso. Recomendo que vejam este vídeo, que é encantador na sua simplicidade, e feito com gente que é só gente, simples, que vive neste momento o momento mais feliz do clube da sua cidade. O detalhe do patrocínio da marca de azeite nas camisolas é do mais "kitch" que há. O Tudelano nunca esteve no segundo escalão, e conta no seu palmarés com apenas 10 presenças na II "B", e até agora não passava de mais uma das muitas colectividades navarrenses que vivem na sombra do gigante CA Osasuna, que curiosamente batalha pela subida na segunda liga, e caso não obtenha sucesso, pode muito bem no próximo ano encontrar o seu "Golias" no mesmo escalão. Por detrás do sucesso está Manix Mandiola, o treinador que há alguns anos lançou as bases da equipa do CD Eibar, que se encontra actualmente no escalão principal. Tenho vindo a seguir esta epopeia do Tudelano quase deste início, e portanto da minha parte mando daqui um "UPA TUDELANO"! Força rapazes.

domingo, 1 de maio de 2016

Futebolismos I



O Cova da Piedade subiu de divisão! Sim, e não foi da distrital para a terceira, mas sim, e pasme-se, do Campeonato de Portugal, o terceiro escalão do futebol nacional, para a Segunda Liga! É a puta da loucura! A Cova da Piedade é uma localidade situada no concelho de Almada, na margem sul do Tejo, e quem é dessas bandas é capaz de "ter passado por lá de carro uma vez quando foi ao Jumbo", ou ainda ter alguma recordação especial, como ter sido assaltado "na Cova da Piedade", ou em inglês "Hole of Mercy". Parece mesmo um calão para designar uma daquelas prisões de alta segurança, para onde vão parar os psicopatas e essa malta mesmo do piorio. Quem for do norte é capaz de não conhecer a Cova da Piedade, e até reagir com um "eu-eh nuncoubi falare dessa m...,c...o!".


O Clube Desportivo Cova da Piedade nasceu em 1947, e como se pode ver no quadro acima, a sua existência rima com "decadência". Depois de um período "dourado" nos anos 60 e 70, onde tal como outras equipas do distrito de Setúbal beneficiou com a "urbanidade" que lhe era dada pela sua localização centralizada, o clube desceu à antiga III Divisão em finais dos anos 80, e consequentemente aos campeonatos distritais, por onde ficou durante quase 10 anos no virar do milénio. Depois de um curto regresso aos nacionais, deu-se outra descida, e foi então que há 3 anos se operou uma autêntica "revolução", com os piedenses subirem ao novel Campeonato de Portugal (ex-II "B"), e depois de garantirem durante dois anos a manutenção, este ano a equipa atingiu a maturidade para alcançar a fase de subida à II Liga, e com concorrência do calibre de U. Leiria, Benf. C. Branco ou os açorianos do Praiense e do Angrense, os comandados de Sérgio Boris conseguiram garantir hoje, a duas jornadas do fim, a vitória no Grupo Sul e a estreia na Segunda Liga em 2016/2017. Agora estarão vocês a perguntar: Sérgio quem???


Sérgio Boris Rodrigues Branco, 40 anos, é o novo herói dos "manes" da Margem Sul. Depois de uma carreira discreta como centro-campista, quase sempre em clubes da margem sul, foi no (meu) Montijo que Boris "pendurou as chuteiras, e depois de "fazer a recruta" nas camadas jovens dos Pescadores da Costa da Caparica e do V. Setúbal, foi em 2010 para o Cova da Piedade ocupar o cargo de coordenador da formação. Pegou na equipa principal a meio da época de 2011/12, sendo campeão no  ano seguinte, vindo agora a justificar a confiança da direcção. É irónico contudo que tendo vindo da formação Boris tenha agora alcançado esta meta histórica recorrendo sobretudo à veterania; no Cova da Piedade alinham vários atletas que já passaram pelos escalões profissionais, casos do avançado Rui Varela, o médio ofensivo Filipe Falardo, e talvez o mais sonante, o médio Silas, ex-Belenenses, que chegou mesmo a representar a selecção nacional, mas o verdadeiro segredo...


David Kong Cardoso! Yep, isso mesmo, o nosso "footie star" de Macau começa a habituar-se a estas andanças. Depois de subir (e mais tarde festejar o título de campeão) no ano passado com o Mafra, David faz agora a festa no Cova da Piedade, onde apesar de não se ter conseguido afirmar como titular...bem, como é que querem que eu acabe esta frase, quando o rapaz em dois anos sobe com duas equipas diferentes? Não acreditam em bruxas, eu também não, mas que las hay, hay.


Parabéns David! Parabéns malta da Cova! Força agora na Segunda Liga, e dignifiquem a margem Sul! 


Slight return...


...depois de mais um mês de quarentena. Obrigado pelas mensagens dos que se preocupam (?), e lamento desiludir os outros (coitados). Sim, sim, estou vivo e numa peça só. "Aquilo" também, sim, obrigadinho.



segunda-feira, 4 de abril de 2016

A crónica do "gangrape" de uma ideia pura e boa (ignominioso para todas as idades)


Uma iniciativa louvável, onde não se lê mais nada do que aquilo que ali está. Mesmo as palavras que suponho as mais ou menos educadas pessoas precisem ir saber o significado no Dicionário não têm grande relevância para o contexto. Mas agora...




Não, nada disso!  - Não foi o "Jornal do Incrível" que regressou em força, mas sim a conspurcação beatífica-xenófoba-islamófoba-tudo-o-que-esses-gajos-são-mas-fingem-que-não-gostam-de-ouvir da ordem, com...ora essa, outra vez? Hugo Gaspar, vulgo FireHead, do seu - nem por acaso - blogue, "Blogue do FireHead" (até aqui se denota o infantilismo primário próprio de um quadro de dúvidas existenciais, fruto de uma complicada crise de identidade, aliado ao primitivismo dos sentidos, reflexo das suas carências afectivas, de onde de destaca uma "namorada", que a existir não lhe dava tempo para produzir TANTO DISPARATE, DEUS DELE!).

Mas pensam que já vos passou pelo globo ocular a luz na forma dos caracteres que formam as palavras - se dignas desse nome - que posteriormente leram, interpretaram e racionalizaram? E preferiam não o ter feito, ao ponto de terem dúvidas se chegou a hora de vazarem as vistas? Então mandem já vir esse ferro em brasa incandescente, pois ainda há...os comentários! 



(...) vão ensinar aos putos que foi a Igreja que fez a cabeça aos reis, daí eles terem feito o que fizeram os pobres dos mouros, que estavam aqui numa boa e em paz..."

Hugo Gaspar

, e por acaso até estavam - ou melhor, estariam, não fosse por uns tais francos a f*d*r*m-lhes o juízo quase desde a primeira hora. De resto, os poucos mais de 2 séculos (vá lá, 3) de permanência árabe foi profícua em avanços científicos e tecnológicos - quem sabe se em pouco ou nada se ficou a dever aos romanos - que tiveram influência até na futura expansão marítima portuguesa. Mais saberíamos nós sobre esse período, não fosse pelo facto dos tais "francos" terem destruído praticamente toda a documentação que existia - e digo "praticamente" pois nas tais invenções, fórmulas químicas e quaisquer manuscritos relacionados com farmácia e alquimia nem lhes tocaram. (chamem-lhes estúpidos, pois).

De resto não consigo sequer imaginar o grau de demência que é necessário para visionar toda a javardeira que leio aqui em cima, e por baixo de uma simples circular a dar conhecimento de uma actividade tão louvável, que eu até diria que é própria de uma cultura civilizada, e não de uma que encontrou em "comer porco" a ténue linha que os separa da barbárie (e está redigida num Português escorreito e vernáculo, pasme-se). Esse ustilago carbunculoso que vos anda a ratar a mioleira tornou-vos insensíveis às ideias puras, boas, e...bem, não-parvas, próprias de imbecis que sois, quis a má sorte, hèlas.

Além da iniciativa ser COMPLETAMENTE FACULTATIVA, não está ali nada, mas nada de nada desses febris delírios que pr'áqui se arrotam, sobre "mulheres oprimidas", "violações", "jihadistas", "pessoas que se arrependeram por ajudar os refugiados" (o quê, mataram o Manzarra??? Estupidez...), ah, e essa nova, que soa assim a "cave" - "gruta" - "cavernas" - "troglodita e/ou selvagem": "enclaves islâmicos" - já foram ver o que "enclave" quer dizer, ó lorpas? Sinceramente...Isso passa com um bom banho ou são necessários alguns dias de molho num alguidar de Detol?

Devem ser palavras como "sensibilizar", "respeitadora" e "educação", ou expressões como "REALIDADE dos refugiados" ou "sociedade democrática e inclusiva" que fazem o Hugo Gaspar, o Lerpa no Grelo & Cia. entrarem em "tilt", e pior do que isso, tomando toda a gente remotamente senil e ciente por torpe - é a explosiva combinação de arrogância de copinhos-de-leite com burrice cheia de moscas à volta, de tanto que tresanda. Ou é droga? E que poderoso alucinogéno poderia provocar semelhante efeito, que os leva a fazer uma fantasia tão irreverente que fazem os Lewis Carroll ou os manos Grimm desta vida parecerem leituras de anuários fiscais das Ilhas Maurícias, por um agente funerário todo sequinho, a tresandar a formol e mesmo muito anémico? Larguem mas é o sovacame do parceiro, pá!

Eu juro que fui confirmar se aquela missiva era mesmo da Direcção Geral da Educação, ou da corte do Imperador Ming, o Cruel. O que é aquele verbatim todo que debitam tem a ver com uma actividade que ensina a lidar com ou pelo menos entender uma situação de crise humanitária? E se a vossa área de residência num raio de 50 km que inclui todos os sítios e pessoas que conhecem começasse a ser concomitantemente bombardeados, ó, sei lá, à ordem das 10 vezes por dia? Iam ficar aí com o cuzinho sentado a propagar e incentivar a CRIMES DE ÓDIO (este sim, um crime, ao contrário de "imigração ilegal" LOL), ou à espera que o Super-Trumpas os venha salvar?

Ah é verdade, ouviram o que o caramelo disse agora? "Se Israel quiser 'existir', toca a pagar - ó hebreu, dá cá o meu". Senão qual Islão, qual papão qual ganda c...ão por essas p*d*s "comedoras de porco" acima, pá! (LOL, esta foi o máximo). Iá, vota nesse peruca loira (acho que são implantes, daqueles que berram: "SOMOS IMPLANTES") que antes já ninguém gostava dos palermas dos americanos a mandar, cheios de cagança - agora vão também ter que FAZER o que eles mandam. Ah olha, querem alternativas? Vão para o Putin que a Rússia pariu. De qualquer das formas, bon voyage! Smell you later.

Esta fica definitivamente arquivada na primeira página do diagnóstico. Emoldurada a ouro (mais assim a "cócó da cor do ouro", tão a ver? Deixem lá...).

"Óinc, óinc" do Leocas (já que "jocas" é que as pessoas dão; os porcos besuntam).

PS: A Malásia estava um brinco, linda e acolhedora como sempre. Cheio de pessoas, e não de "cruzados comedor de porco" LOL!



sexta-feira, 25 de março de 2016

Quem é João José Horta Nobre? (parte I)



Nota prévia: este é um artigo cuja extensão e (constante) aparecimento de novos dados não permitem fazer numa só parte. Contudo não queria ir de férias sem deixar aqui um pequeno "aperitivo". Bon apétit.

Quem é João José Horta Nobre? Uma pergunta interessante esta, e quando digo "interessante", falo do ponto de vista da Psicologia Anormal. Este personagem que se desdobra em várias que confirmam o que a primeira diz, ou validam as suas asserções, qual delas a mais delirante, diz-se "Doutorado em História Contemporânea pela Universidade de Coimbra" - será? Não consigo provar que não é, de facto, nem consigo provar sequer que a pessoa de que vou falar a seguir não se chama realmente João José Horta Nobre, ou se este é um aliás, mas de uma coisa tenho a certeza: trata-se de alguém com sérios problemas de socialização. Sem ousar fazer um diagnóstico que só seria da competência de um profissional de saúde da área da Psiquiatria, faço mesmo assim um prognóstico: este indivíduo sofre de esquizofrenia paranóica. Vinde e vide o que descobri:


Três comentários seguidos, todos no mesmo dia em que no "post" Provedor do Leitor de 19 de Março deixo a promessa de vir a abordar este tema - atenção: ABORDAR O TEMA. Nunca prometi quaisquer revelações, até porque para mais não sou profeta nem nada que se pareça. Contudo parece que toquei ali em algum nervo, e além destes comentários que acabei por publicar, outros há que guardei bem guardados, contendo um rol de ameaças que eu chamaria de "imaginativas", e não fossem eles anónimos, a pessoa que os fez ia precisar de ainda mais imaginação para os explicar a quem de direito. Ou podia simplesmente tentar concretizar, mas este tipo de cobarde já estou eu farto de aturar, e sinceramente não dá sequer para sentir pena, quanto mais levar a sério.


Esta é a tese de doutoramento defendida pelo tal João José Horta Nobre, na Universidade de Coimbra. Parece tudo em ordem, sim senhor, e quem sou eu para duvidar? Agora há algo que me deixa intrigado: com este "pedigree", como se explica o comportamento errático da personagem? E porque não dá também a cara - certamente que um doutorado em História Contemporânea não estará no topo dos alvos a abater pela Camorra napolitana. Deixem-me contudo lançar mais uma acha para a fogueira da dúvida:


Muito bem, obrigado pela paciência, e como disse mais acima, isto ainda não é tudo o que tenho a respeito do personagem. O FireHead, aliás bloguístico do Hugo Gaspar, é um dos alvos predilectos deste João José Horta Nobre, e não é preciso sequer ter o ensino básico completo para perceber que é o próprio que manda estes comentários como anónimo, quer no meu blogue, quer no dele, que noutros que mais tarde vou aqui abordar - e que comentários! Curioso como o Hugo Gaspar menciona aqueles dois artigos do Diário de Notícias. Terão sido MESMO publicados no DN?


Eu não acredito que o DN tenha publicado este artigo (ver link) e ainda o outro (idem) que o Hugo refere. Não por terem sido escritos com os pés, e com toda a certeza que alguém com um doutoramento em História Contemporânea nunca faria uma análise tão tendenciosa, minada de preconceito e recorrendo a uma linguagem que na melhor das hipóteses eu consideraria de "familiar". Vão lá e vejam com os próprios olhos, mas mais importante do que isso, vão até à secção dos comentários, e vão ver isto:


E o que tem de especial? Bem, mesmo sem ler os artigos, dá para entender de imediato que os comentários não são sobre o mesmo assunto - é elementar. E antes de ir directo a uma das provas que me faz duvidar das valências deste personagem, vejam mais estes:


Terramotos? Desemprego na região Norte? António José Seguro? Cigarro electrónico? Sem dúvida que fica mesmo bem ali aquela "conversa de merda" sobre o autoclismo, pois o que  deixa esta história a cheirar mesmo mal, é que os comentários são exactamente os mesmo em ambos os artigos! Todos os 98 deles! Podem ir lá verificar por vocês mesmos, e a seguir tentem responder a isto se souberem: quem falsifica uma coisa destas, não é capaz também de "desenrascar" um doutoramento em seja lá o que for? E porque é que NINGUÉM se identifica em defesa do personagem, se se trata apenas de um "doutorado em História", e não de um "menino de ouro" do budismo tibetano? 


...e  o Leocardo prova. E o que pode ele provar? Que "só existe um João José Nobre Horta"? Ora ainda bem, e um só já é mais um do que o recomendável para a saúde. Perante isto e o que mais ainda está para vir, a pessoa em questão podia muito simplesmente dar-se a conhecer e provar para lá de qualquer dúvida que é realmente quem afirma ser, e eu apresentaria humildemente um pedido de desculpas. Mas é claro que isso nunca vai acontecer, portanto...

(CONTINUA)


quarta-feira, 23 de março de 2016

O "covarde", o cão e o povão


Ah, Direitos dos Animais: a ficha que cai quando algumas pessoas fazem a chamada para se demitirem da humanidade. E eis que temos aqui um cão queimado vivo! E que vivo continuou, aliás, tem muito que se lhe diga, o processo de convalescença deste cão, que foi vítima do "covarde". Sim, é tudo o que nos deixa saber o sítio dos Direitos dos Animais: o "covarde" bebia cachaça, regou o cão com um pouco dessa bebida, e ateou-lhe fogo. Porque é "covarde", pronto, e os "covardes" fazem dessas coisas. Não deve ter sido porque sentiu frio e o cão era a única coisa que tinha à mão, pois penso que mesmo assim isso seria assaz reprovável, pois isto aconteceu no Brasil, mais precisamente em Ourinhos, no Estado de S. Paulo, junto da fronteira com o estado do Paraná. Desconhece-se portanto se o "covarde" era mesmo paulista, ou se seria paranaense, ou se teria origem desconhecida, vindo lá de um estado onde abundam os "covardes". O cão era, contudo, residente de Ourinhos, e como tal...


...foi-lhe dado destaque no "Ourinhos Notícias", o que chega a ser suspeito, visto que numa cidade com 110 mil habitantes costumam acontecer...coisas? Outras coisas? Já lá vamos. Aqui pelo menos ficamos a saber...o mesmo? A única diferença é a evolução que o cachaceiro atravessa durante a história: começa por ser "covarde", é promovido a "homem" na segunda parte, apenas para voltar a ser relegado a "marginal", e acaba como "pessoa", de quem "nada se sabe" - a não ser que é "covarde", claro. E se nada se sabe, o que nos leva a pensar que foi um homem? A cachaça é exclusivo do género masculino? Pode parecer que estou a fazer pouco da lamentável situação, que levou inclusivamente o cão a "passar por cuidados" numa clínica veterinária. A razão porque este tipo de notícia me deixa apreensivo é não ajudar em nada a melhorar a situação de ninguém, de pessoas, de cães, de "covardes", nada. Tudo o que faz é despoletar sentimentos de ódio, causar fricções ENTRE PESSOAS, e deixar um registo vergonhoso em certas pessoas no que toca às afirmações que fazem, e se tempos houve em que pensei que se tratavam de simples desabafos, hoje temo o pior. Quando vi que esta entrada na página do Facebook tinha mais de 700 comentários em 15 horas, já sabia que não se estaria ali a debater nenhuma problemática específica, sobre a cachaça, o cão ou o "covarde" - o que se fazia ali era sim destilar ódio por este último, de quem "nada se sabe", nunca é demais repetir. Mas esqueçam tudo o que aprenderam sobre a presunção da inocência, o direito à defesa e a um julgamento justo e imparcial, o factor prova, enfim, deixe o civismo à porta e prepare-se para entrar no mundo dos...DIREITOS DOS ANIMAIS! UAHAHAHA!



E entramos logo com um retrocesso de séculos na civilização: "linchar o fdp até à morte", diz a Sueli Souza, uma veterana nestas andanças, e que diz "falar com a razão", pois o tal "covarde" em causa "TENTOU assassinar um inocente". E o que vamos nós fazer, aplicar a pena de talião, de olho por olho e dente por dente? Qual quê, isso é para meninos! Vamos "linchá-lo até à morte", subentendendo-se aqui que vão-lhe beliscar as partes mais tenras, tornando o processo desnecessariamente demorado. Nos restantes comentários é bem latente o ódio, e eu imagino estas pessoas a espumar de raiva, a imaginar os castigos mais cruéis, as formas mais lentas de morrer, sentindo toda a dor, sem perder pitada, e...hmm...isto não sei porquê abre-me o apetite. É deveras sugestivo, o que torna tudo ainda mais assustador. Mas adiante.


Se repararem bem são praticamente todas mulheres, os comentadores desta página dos Direitos dos Animais. Senhoras, meninas, mães de família...agora que penso nisso fico preocupado, sinceramente. Quer dizer, com este conceito de "justiça", esta boca de trapos, os castigos sádicos que imaginam, a maneira com que se referem aos animais como "anjinhos de quatro patas". Atroz, no mínimo. A Maria da Graça Alves de Lemos diz que "precisão" de encontrar o "covarde", mas eu digo que se o apanhassem ele não seria julgado lá com muita precisão; basta ver o que diz a Maria de Fátima Toledo Vedoti. Brrr...ele aprendeu aquilo onde? Na novela? A Luana Castro faz ali timidamente a primeira aproximação ao prenúncio do fim do mundo. E são bastante comuns, este tipo de comentários, que acabam sempre por...


...chegar ao auge, aqui pela mão da Elizabeth Zurkinden, que numa notícia de um cão que teve o azar de se cruzar com uma palerma qualquer, e ainda por cima bêbado, faz logo um anúncio do Dia do Juízo Final, citando (mesmo que involuntariamente, acho) a doutrina do Arrebatamento - incrível, e era o outro que estava bêbado? Pelo menos tem uma desculpa. Mas reparem mais acima no primeiro comentário, antes  desse o dos outros três igualmente "simpáticos", de uma tal Maria Estela de Almeida. A mulherzinha, que deve ter tido uma data de afrontamentos que de uma assentada resultaram em dez acessos agudos de SPM quando leu a notícia, apela ao povo de Ourinhos que vá LINCHAR o "cobarde", uma vez que "sabem quem ele é", e "não existe lei para punir essa desgraça humana". Bem, aqui temos alguém MESMO dedicado a esta causa ao ponto de saber tudo isto, suponho que por telepatia, o que parecendo uma coisa boa, não...mas espera lá, 32 comentários? Aquilo promete! 


E lá está: Maria Estela de Almeida é mesmo a cacique desta facção ultra-radical da causa dos Direitos dos Animais, de gente que se diz "moderna", mas que defende os linchamentos, um tipo de justiça da Idade Média, aplicada naquele tempo em locais onde não existia nem lei nem grei. Neste caso a lei até existe, e vendo bem o tal "covarde" não se livrava de uma admoestação que o faria pensar dez vezes antes de repetir a graçola, mas não: linchamento é a única solução que equilibra o Universo, segundo esta senhora. E os restante "amigos dos animais" concordam, como dá para depreender daqueles comentários impregnados de raiva (estarão vacinados?). Vejam ali a sra. Alzira Mota, já com uma respeitável idade, a defender um método de linchamento que se pode ver no primeiro filme da "Tropa de Elite". Ó minha senhora, que modos, esses os seus, que ninguém diria. Neste seguimento de comentários ao comentário encontramos finalmente representado o sexo masculino, mesmo que no caso daquele Orlando, que ou muito me engano, mas não deve ser "fogo" no sentido literal que ele quer pôr em alguma "bunda". Ahem. Quanto ao Vítor Rodrigues, pode-se dizer que chegou, viu e venceu. Excelente observação, meu caro, só que aqui parece que os camaradas já há muito que não vêem um palmo à frente do nariz.



















E eis que vos apresento ela mesma, a paraíbana Maria Estela de Almeida, adepta dos linchamentos. Apesar de ter um arcaboiço que sugere poder proporcionar uns momentos agradáveis de...uh...ah! convívio (pois), Maria Estela demitiu-se da humanidade, e hoje ladra. Sim, eu disse "ladra", como quem ladra aqueles disparates todos que vemos ali em cima. Se algum mérito tem, é o de assumir a passagem ao seu estado "animal", como se pode ler naquela introdução por cima daquelas fotos. Ah, introdução...hmmm...woof!


terça-feira, 22 de março de 2016

segunda-feira, 21 de março de 2016

Maria, a apóstata


Maria Vieira criticou o Papa por este ter criticado quem ignora a sorte dos mais desfavorecidos! Pois claro, mas o que estava a pensar quem acreditou que um papa mais humano, mais próximo dos crentes, mais...perceptível! iria de encontro as expectativas dos crentes? O que os católicos "aficionados" querem mesmo é um Papa extra-terrestre, constantemente em êxtase e a dar a impressão de estar a ir desta para melhor, discursando com uma voz cavernosa e arrastada, dando a sensação de estar em permanente contacto com Deus, fazendo de "rádio do além". Mas Papas à parte, a intenção da xenófoba, invejosa, mesquinha e velhaca Maria Vieira já se sabe qual é: dar continuação ao CRIME que vem cometendo na sua página do Facebook vai para meses. Sim, crime, e pela enésima vez vou mostrar que aquilo que esta meia-dose fora do prazo está a fazer é um CRIME. Fiquem por aí. Mas entretanto...


...temos o...ora bolas, claro que do Firehead, vulgo Hugo Gaspar, não se podia esperar outra coisa. Mas pelo menos este é "right on the nose", e os seus devaneios devem-se a uma combinação de crise de identidade, carências afectivas e más companhias - é a Maria Vieira que apanha o canal do Hugo com a sua antena pirata, e não o contrário. Vamos antes ver o que aquela súcia de patetas-alegres que se dizem "fãs" da Maria Vieira pensa da última levada de esterco vomitada por aquela inominável amostra de gente:


Olha para isto, que tristeza. Nem aqueles médicos forenses que chegam a um cenário onde três semanas antes um pai de família meteu as tripas da mulher e dos filhos de fora antes de dar um tiro na cabeça e borrar as paredes todas de miolos deparam com algo tão vil, tão macabro, tão pútrido. O que é que estão ali a fazer "hello kittys" e coraçõezinhos numa secção reservada a comentários de uma coisa tão atroz? "Ai, ai, era o que eu estava a pensar, Maria Vieira!", "Ui, ui, olha para mim aqui: tu és um génio Maria Vieira!". Corja de moscas azuis que se lambuzam com os dejectos da nojenta, olha só. Sim, realmente a Maria Vieira devia ir para presidente da República dos Retardados e Imbecis, ao constatar de uma assentada só que 1) o Vaticano é um estado, 2) o Vaticano é um estado RICO cumó caraças, e 3) estados ricos cumó caraças como o Vaticano têm dinheiro para acolher seja quem for - qual destas observações a mais idiota. É que esta gente não se enxerga, mesmo. Ao fazerem isto que aqui se vê, só estão a dar razão ao Papa: então e só agora é que há pobres, e de repente Vossas Cavalgaduras despertaram desse estado de estupor em que estão imersos e se aperceberam que o Vaticano é rico? Antes, não senhora, os pobres que se f..., e se tiverem juízo em vida ainda vão parar ao Céu quando quinarem - mas em "classe económica", entenda-se. Agora há "refugiados", que a Maria Vieira despreza e já nem se dá ao incómodo de distingui-los - para ela são todos muçulmanos e terroristas - o Papa chama a atenção para a idiotice de pessoas como ela, e pimba! o Vaticano que os ature. E aquela gentinha prova e aprova...tristes. Ah, mas querem saber o que pensa "Deus" disto? Sim, não é "Deus" que é omnipresente e omnisciente? Este que vem a seguir só é "Deus", assim com aspas, porque falta-lhe a parte do omnipotente. Na verdade é mais um daqueles que fala, diz merda que se farta, mas na hora de agir sofre de disfunção eréctil. Vide:


Este Carlos Roque, que parece que é lá jornalista ou o raio que o parta (a confirmar-se, é uma vergonha para a classe dos profissionais da comunicação social) está em Angola. Repito: está em Angola. Isto não o impede contudo de saber da situação crítica no norte da Europa como vimos aqui, nesta imagem de um artigo anterior, onde diz mais um chorrilho de disparates, das capas das revistas na Arábia Saudita, de um suposto "blackout" no Vaticano, e até aquilo que andam a fazer as autoridades na Alemanha, França e Estados Unidos! Palmas para este agente Zero-Zero-à-esquerda, que deixa ali a morsa anã da Maria Vieira toda humedecida com "notícias que não passam nos noticiários" (porque será? hmmm...). Mas pronto, já sei: sou eu que "não quero ver a realidade", e que nego aquela tragédia que anda a acontecer nas cabeças confusas desta gente, e que este esperto-parvo leu nos cocós das palancas. Vai-te sentar numa coisa dura e alta, palhaço. Tens mesmo cara de nazi fdp.  


Outro personagem que me deixa relativamente preocupado é Nanã Sousa Dias - e sim, está ainda vivo, e se ao que parece goza de boa saúde física, já quanto à vertente mental tenho sérias dúvidas. Ele aqui até elogia a "visão privilegiada" da "amiga", mas não parece lá muito entusiasmado com a ideia geral que a Maria Vieira quer passar. E de facto o homem que sopra na gaita "sax" parece estar (ainda) do lado do bem:


Ah, sim senhor, pelo menos aqui diverge da Maria Vieira no que diz respeito ao compasso político. É que no outro dia fiquei meio intrigado ao deparar com isto:


As referências ao Corão, como se fosse uma lata de salmão que espumava por acção do bacilo botúlico e que o queriam obrigar a engolir...a obsessão com uma religião distante e uma putativa "invasão" da mesma...o cenário apocalíptico que pensa justificar todo aquele ódio étnico e religioso...as obscenidades visivelmente provocadas por um estado de desorientação completo...e a acabar numa inexplicável missão suicida sem que nada possa justificar tamanho disparate, e ainda com o desprezo pelo politicamente correcto a fazer de cereja no topo do bolo. Ora então o diagnóstico é muito fácil de se fazer: o Nanã Sousa Dias foi um dos muitos portugueses afectados pela campanha negra do último Verão-Outono, que os fez acreditar que de uma situação perfeitamente normal e tranquila ia-se passar de um dia para o outro a viver entre burqas, mesquitas, atentados bombistas, violações, blá blá blá, e ainda por cima sem carne de porco, pelo Buda! Ó Nanã, eu entendo que você com a sua idade e com uma carreira respeitável que eu por acaso desconheço de todo queira "sopas e sossego", mas também creio que é uma pessoa inteligente, é ou não é? Tenha o discernimento das pessoas inteligentes para entender que isso não é assim do pé para mão, que se passa da harmonia ao caos, e enquanto não se concretiza essa "inevitabilidade" adopta-se um discurso como esse aí em cima - uma autêntica vergonha para si, meu caro. Vá lá sacar umas notas jazzísticas para ver se afasta esse turbante imaginário que o apoquenta, vá lá.


E atenção que excepcionalmente temos...O CONTRADITÓRIO! É possível que quem passe pela página do Facebook da Maria Vieira e leia aquela pouca-vergonha fique a pensar que esta aventesma é alguma "guru" da desgraça que só ela vê mas que está mesmo à frente dos nossos narizes, pois os comentários que lá estão são elogiosos, quase na ordem dos 100%. Isto só acontece porque a patifória apaga os comentários negativos e bloqueia as pessoas que os deixam lá, e ao contrário do que se possa pensar, existe já um respeitável grupo de cidadãos que tomou consciência de quem é realmente a Maria Vieira. Este comentário que vemos em cima, apesar de não ser muito claro onde quer chegar exactamente, dá a entender ser em prol do Papa Francisco. Como também não parece ir contra as alarvidades que escreveu, Maria Vieira deixa-o ficar, se bem que é notório um tom de desagrado. Deve ser da falta de corações e beijinhos e o caralhinho para ela. Mas então e o que tem isto de especial, perguntam agora vocês. Esta realmente é uma tímida senão falsa tentativa de sacudir aquela sórdida e pouco recomendável criatura, nem que seja para que saiba que o mundo não embruteceu no seu todo para servir os seus mefistofélicos intentos, mas eis então que aparece, qual anjo caído dos céus...


...Filomena Cautela! De quem por acaso eu tinha falado aqui no outro dia, mas numa perspectiva completamente díspar. E não é que a rapariga tem "um par", e que só a (inexplicável) estima que tem pela monstra da Maria Vieira a impede de lhe dizer as verdades como deviam ser ditas? Aquilo não é "demagogia cara", minha querida: é filha-da-putice da mais escroque, uma canalhice sem nome. E o que faz a Maria Vieira perante esta outra personalidade que destoa dos zombies fecómanos que ela ali põe a pastar?


Toca a sua "cassete" da generalização e do preconceito. As partes sublinhadas devem ter entrado em TODAS as considerações que a Maria Vieira faz sobre este tema. TODAS. E inventa pretextos para atirar com isto, a toda a hora! Não se cansa, a ignóbil e vermiforme criatura. Quando digo que "generaliza" e é preconceituosa, não estou a falar por falar, pois não se deixa uma única margem que seja para se colocar a hipótese de UM refugiado que seja ser mesmo digno desse estatuto, ou uma pessoa de bem. A Maria Vieira encontrou o ponto óptimo do absurdo, e de lá sentencia que estas pessoas "jamais se irão adaptar", TODAS. Portanto devem vir de algum buraco, ou de debaixo de uma pedra, sei lá? Perguntem à Maria Vieira, que aqui para não ficar seriamente comprometida chama ao safanão que levou de "opinião". Pois, pois.


Sim, Filomena Cautela, eu sei, você sabe, e muita gente que infelizmente prefere não ter que aturar as Marias Vieiras desta vida sabem disso: as coisas não são nada como ela e outros "fresquinhos" as pintam, sem dúvida, e é claro que é mais uma das suas MENTIRAS, quando o pacote de banha ali diz que "conhece inúmeros países islâmicos" (e sobre os quais de "debruçou" em quatro projectos reprovados de papel higiénico), pois se conhecesse não escrevia uma ínfima parte dos disparates que ali estão. Mas a Filomena já ganhou o seu lugar no Céu, e deixe-me só dizer-lhe que isto não tem nada a ver com liberdade de expressão - é um caso de polícia:


Venho dizendo isto desde o início disto que alguns pensam ser alguma obsessão minha, ou uma tentativa de "aparecer" - epá, bardamerda para o que esses "pensam", que não se aproveita nada dali - o que esta "pessoa" está aqui a fazer é um CRIME. É a lei que o diz, não sou eu. A lei. Não eu. A Maria Vieira está através de sistema informático destinado à divulgação a difamar e injuriar pessoas por causa da religião destas, sendo isto certo, e num âmbito mais alargado por causa da etnia também - as referências a "magrebinos" e a insistência na discriminação de árabes não são por acaso. E reparem que existem 30 mil muçulmanos a viver em Portugal, que são 30 mil razões porque a Maria Vieira está ERRADA! Ela não diz "as verdades", ela MENTE! Não é "coragem", é ILEGAL. O que ela está a levar a cabo é um CRIME CONTINUADO! E olhem que depende apenas de uma queixa. Não sendo eu dos alvos visados, e na verdade preferindo que ela cesse este logro derivado da sua sede populista, não me cabe a mim tomar acções contra contra esta infeliz sub-espécie (des)humana. E mais: sei que ela vai ler isto, e o que pediu que lhe fizessem de modo a identificar a fonte deste "problema", ainda andava a pobrezinha a matutar como é que se ia armar em espertalhona, e já eu lhe tinha adivinhado os passos. TENHA VERGONHA, MARIA VIEIRA!




...e em frente é o caminho! - resposta ao Firehead


Obrigado? Sim, dá-me vontade de agradecer pelo tom elogioso com que o Firehead, aliás Hugo Gaspar, se dirige a mim no seu blogue, dedicando-me mais um "post" (eu devo ter estatuto de VIP lá, bolas!). Ora bem, muito giro, sim senhor, então vamos lá arregaçar as mangas e ver como é que é.


Pois é, "vai na volta", eu nunca afirmei nada daquilo. "Vai na volta" o tal "António" é um dos muitos amigos do Hugo Gaspar, um daqueles cuja firmeza de princípios é tal que não se identificam, de tão humildes que são - não porque "vai na volta" temem qua forma cobarde e reles com que tentam agredir verbalmente toda a gente que constata o óbvio: que são uma cambada de imbecis. "Vai na volta" o Hugo Gaspar pensa que ainda estamos nos tempos da outra senhora e eu vou ficar num mundo de sarilhos, vou ser excomungado,  candongado, escarumbado, ou algum daqueles "castigos" imaginários que na prática valeram a muita gente uma carga de trabalhos durante praticamente metade do século XX em Portugal. Aliás a principal razão porque eu admiro os crentes e distingo-os da Igreja é por estes fazerem com a Igreja aquilo que esta não faz por ninguém mas apregoa como um dos seus maiores valores, senão mesmo o  valor máximo: perdoar. Já agora, sabem a diferença entre "iconografia" e "idolatria"? "Vai na volta" não sabem, mas não se preocupem que não se pega, mas se estiverem mesmo interessados em saber, o que vos pode dar imeeeenso jeito, podem ver este vídeo no blogue do Hugo Gaspar, que "vai na volta"...


...pensa que eu distingo, catalogo, discrimino, etc. as pessoas conforme a sua crença religiosa. É incrível que seja necessário explicar - e não justificar, não tenho que justificar porra nenhuma - que o que eu quero dizer com "a fé confinada aos lugares onde a fé se pratica" é apenas isso mesmo: tenho o direito de não andar a levar com ensaboadelas de beatos, e se estiver mesmo interessado em saber o que me reserva o post mortem (não entendo a quem possa isso interessar, mas pelos vistos...) sei muito bem onde me dirigir. O que o Hugo Gaspar faz, e negue lá ele isso as vezes que quiser que não deixa de ser verdade, é IMPOR o peixe dele. Não se trata de "vender", ou sequer uma "tentativa de evangelizar", como uma vez sugeri. Trata-se de um acto egocêntrico de auto-afirmação, comum a muitos desses crentes que levam a SUA fé (é deles, eu não quero) para lá dos limites do racionalmente desejável, e entram numa espécie de "pavor da negação", ou seja, temem ver desmentida a mentira em que se dispuseram a acreditar. E por falar em negação...


Sim senhor, com que então "não disse", "não escreveu"...o rapaz não deixa nada de fora, a não ser o amor-próprio, que exibe desta forma indecente - eu diria até pornográfica. Vamos lá a ver (e não "vai na volta") quem é que tem problemas de interpretação...


Sei, sei...portanto, o uso do preservativo, que naquelas circunstâncias até se recomenda, "não evita a 100% o contágio de doenças como o HIV". Isto tem tudo a ver, minha gente. Isto NÃO significa que os tais "alógenos" são muito possivelmente portadores dessas doenças por inerência (nem quero saber o que o Hugo Gaspar imagina quanto a esse aspecto, brrr...), e NÃO significa que são propensos a praticarem sexo sem consentimento da parte do seu parceiro, ou neste caso parceira. Ele NÃO disse aquilo que eu alego ele ter dito: escreveu. E ele confirma. Tanto assim que os "islamofóbicos" já trataram de acusar o governo alemão de "aquilo que ele não disse mas escreveu", sendo que "islamófobos" não é nada a ver com ele. Que ideia.


Lá está, só porque tem na barra da esquerda do blogue uma imagem onde se lê "islamofobia" e "anti-islamismo" e outras de que se "esqueceu", não quer dizer que seja islamófobo, e se calhar até simpatiza com os "muslos", que é um nome com que ele os trata carinhosamente. Ora essa, senão era também aquelas coisas todas, ora pois. A lógica do Leocardo é que está avariada, e aquelas pessoas que têm na barra dos seus blogues um emblema do Sporting onde se lê "leão e com orgulho", são animais da selva, e ainda por cima vaidosos! Agora que toda a gente com dois palmos de testa já entendeu quem é que está aqui com problemas de interpretação, vamos a outro exemplo para convencer os mais "resistentes":


Claro, claro, já que os doentes com epilepsia eram "queimados na fogueira desde os tempos pagãos", e não queriam desapontar os fãs, a Igreja Católica fez o mesmo, ora essa. Eu sei, eu sei, que os conhecimentos científicos naquele tempo não-sei-quê, faz tudo parte deste jogo de cabra-cega que Deus teima em fazer-nos jogar, e tal, ora agora descobres a vacina para a gripe e já não morres mais com uma corrente de ar, tudo isso, muito bem. MAS todavia contudo...o que me referia ali era ao "papel de autoridade", e como a Igreja "mantinha a população segura". Uh, uh. Têm piada - e por isto quero dizer "é infantilismo" - que depois vá por ali fora deduzir que eu dou a entender que a "epilepsia é possessão demoníaca", confundindo-me com os esbirros da Igreja. Só faltava dizer que fui eu quem escreveu aquele texto em cima sobre a epilepsia, ou que eu era um dos "pagãos que queimavam epilépticos" (falta fundamentação a essa asserção - não que eu duvide, atenção!), ou ainda melhor, que eu sou a própria epilepsia! Que tal? A única asserção que se pode fazer de tudo isto é que o Hugo Gaspar considerava os epilépticos "perigosos". Sim, então, se a Igreja "cumpriu o papel de autoridade! Uh, uh.

Bem, agora pode ser que haja quem esteja a pensar que o Hugo Gaspar é muito "esquecido", só que isto tem uma explicação:


Pois é, acontece que além de ser um imbecil de primeira água, capitão da selecção nacional de imbecis, o Ivan Baptriste tem o dicionário avariado, pois só numa interpretação existente na cabecinha dele e na matreirice do Hugo Gaspar...

...é que "genocídio" teria esse significado. Quer dizer, e o que chamar ao envelhecimento da população, já agora? "Infanticídio"? Tenham juízo, pá! LOL. Ah, mas há mais:


Não sei de onde é que este panascóide do Ivan Baprocarvalho me conhece, mas fique a saber que apesar de simpatizar com a vossa causa, gosto mesmo é de mulheres. Pronto, e posto isto, agora "tenho sonhos molhados com a...". Ai sim? Agora "quero chamar a atenção da lontra prematura", é isso? Falai aqui de "mudança de estratégia", porque antes...


...ai de mim se a Maria Vieira sabe! Ai ai que eu levo tau-tau no rabiosque, que medo. É verdade, ó Hugo Gaspar, se me permite, e já que de questões de anonimato percebo eu, não está a falar a sério, pois não? É que desceria alguns pontos na minha consideração de estivesse realmente a pensar que usando o mesmo e-mail no blogue que usa na sua conta pessoal do Facebook, ia conseguir que ninguém soubesse quem você era. Eu avisei-o das más companhias, e deve ser isso que anda a "tirar pontos" ao QI do meu caro. Mas se por um lado este Ivan Baptesta-enfeitada é um palhaço troca-tintas...


...venham conhecer um mentiroso sem um pingo de vergonha na cara. O que está aqui é o que aqui está, e "mánada". Não me venham com merdas, que como já disse num artigo anterior, só esta mente perversa e doentia é que foi capaz de produzir um raciocínio desta monstruosidade. Pronto, tudo bem, cada um come do que gosta, só que...


...depois não minta descaradamente! Quer dizer, o tipo fica para ali a fantasiar com a virilidade do criador ao ponto de, e passo a citar, "estar cagando alto", o que supõe que estará já com o ânus humedecido e apontado na direcção dos Céus, preparado para receber a "dádiva", e depois nega??? (agora quero ver o que vão eles fazer com o que eu escrevi aqui, eh, eh, eh...)


Pois é meu caro, a mim não me falta paciência, pois essa é uma virtude, não sabia? Para mim é fácil desmontar estes legos de motivos carnavalescos que sobrepõe aqui com os seus amiguinhos, e quanto aos anónimos não comento, e que vão todos mamar na quinta. Quanto a si, acho e sempre achei que você é óptima pessoa, apesar de provavelmente a esta hora estar a trepar pelas paredes, que é o que me dá a entender a ira que parece incutir nos seus textos. Eu até diria que devia relaxar, praticar outra escrita mais leve, quem sabe dedicando-se, sei lá, à poesia? Mas depois...


...é melhor não. Continue a mandar postais e até à próxima! Não perca muito em breve a denúncia que vou fazer daquele esquizofrénico paranóico que assina pelo nome de João José Nobre da Horta. Ah, ah! Jocas do Leocas.